Páginas

30 de abr de 2017

I- a parte de um livro que prosseguirei escrevendo, mestre do terror: ALAN POE. Ligia Soares Skrebsky 4 min · Regina, numa tarde, adentra meu apartamento. Estava desesperada. Acordava da sesta. -que é minha irmã? - sinto que alguém me disse em sonhos, que um acontecimento trágico, está por nos acontecer... na nossa família. -Não, te acalma! estou me acordando. Minha expressão não era boa. Ela continuou ansiosa: -acho que foi o Carlos Guilherme que me avisou. Ele morreu naquele acidente de trator. Espera! - estava sonhando... um pesadelo. Estou com gosto de vidro na boca. Akks. Vidro? É... um pesadelo esquisito. Sonhava com edifícios. Arranha-céus enormes. Eles caiam e se esborrachavam feito cubos menores.Eu os comia. Comi muito vidro. Ela aquietou-se, ouvindo. Agora era ela, que enrugava a testa e comprimia a sobrancelhas. Prosseguia falando baixinho... Quatro homens morreram, a pouco, na nossa família. - Ligia, tu poderias me dizer qual de nós, seria o escolhido. - Cala-te Regina. Vou levantar-me. Vamos para com esse assunto. Desanuvia-te. Vamos comer alguma coisa. - Não te impressiones. Eu rezo muito. A mãe me pediu que rezasse muito, e falava nas calamidades que iria nos acontecer. Ela morreu muito ansiosa, pensando em nós, no pai, às vezes. ela chorava...Não vamos falar mais. Me dê notícias, das nossas maninhas... tá.

Nenhum comentário:

Siga-me por e-mail