Páginas

26 de jan de 2016

POETAS DA CONTEMPORANEIDADE

Como os de outrora, escrevem versos bonitos aveludados.
Escrevem tristezas, amores, tecem poemas indignados
De crimes que se perpetuam, após promessas ... e
Barbarizam o povo, com suas desgraçadas propinas.

Suas letras são como borboletas que de flor em flor levam
O néctar do amor, da esperança, verdadeiras sementeiras
Para aliviar o deserto dos corações, e amaciar a morte
Que permeia estradas e asfaltos do campo e da Megalópoles.

Seus versos sopram para além dos horizontes e das fronteiras
Que borrifam carinhosamente como bolinhas coloridas de sabão
Confetes de  beijos e abraços são seus lencinhos perfumados.

Cantos de passarinhos, sonhos, suspiros de amados,
Convites de comunhão em belos banquetes sagrados,
Desejos de repartir o pão, sorvendo vinhos de união.

Nenhum comentário:

Siga-me por e-mail